sexta-feira, 29 de abril de 2011

Hoje e sexta feira.....

Bom final de semana Macacada......

Faz mandado.....

viu.....

que isso.....

QUE PORRA É ESSA?

PQP

Bandas Boas....... (que conheço) (13)


MATANZA

É uma banda do Rio de Janeiro (Brasil) de punk metal. Sua música é uma mistura de heavy metal com o country e o hardcore punk, formando assim, o gênero que a mídia intitulou de "Countrycore".

O Matanza foi idealizado nos idos de 1996 por Jimmy e Donida, atendendo à brilhante idéia de explorar as melodias simples e diretas da fase inicial da carreira do cantor americano Johnny Cash, adaptadas a um andamento de bateria como o que se ouvia da banda escocesa The Exploited. Completavam essa formação embrionária, o baterista Nervoso e o baixista Diba, registrada na demo de 1998 "Terror Em Dashville".

Em 1999, uma nova gravação atrairia a atenção do produtor Rafael Ramos, e levaria o Matanza à assinar com a hoje extinta Abril Music para o lançamento de seu primeiro CD. Já contando com China no baixo, "Santa Madre Cassino" foi gravado em Dezembro de 2000 e lançado em Março do ano seguinte, pouco antes da banda ser demitida da gravadora por falta de um sucesso radiofônico.

O Matanza segue com Rafael Ramos para a Deckdisc e grava no estúdio Tambor o seu segundo álbum, "Música para Beber & Brigar", agora com Fausto às baquetas. Desde álbum, destacaram-se "Pé na Porta, Soco na Cara" e "Bom é Quando Faz Mal", cujos videoclipes foram dirigidos por Eduardo Kurt, responsável também pelo de "Ela ROubou Meu Caminhão", do primeiro álbum, e por todos os que viriam a compor o tributo à Johnny Cash.

O projeto "To Hell With Johnny Cash" começou como um compacto de quatro músicas que a banda costumava tocar em seus shows mas, em pouco tempo, já orçavam-se 3 compactos, com 12 músicas ao todo. No começo de 2005, com o surgimento de uma nova mídia, o projeto tomou ares de disco de carreira e o resultado foi um CD-DVD, reconhecido como o primeiro título em DualDisc de um artista brasileiro em território nacional.

Gravado em meados de 2006 e lançado em Outubro do mesmo ano, "A Arte do Insulto" revelou uma banda imensamente mais profissional, apta à encarar a estrada de uma forma inconcebível no começo de carreira. A seriedade para com a música seria expressa no tom das letras, no peso das composições e na intensidade do show, o que levaria, mais tarde, à gravação de um DVD. O trabalho de divulgação do álbum contou ainda com o videoclipe de "Clube dos Canalhas", dirigido por Rudi Lagemann e fotografado por Tuca Andrade, e com a revista Matanza Comix, com quadrinhos de Alan Sieber, Arnaldo Branco, Daniel Etê, entre outros, além do próprio Donida, editor da publicação.

O registro "Matanza Ao Vivo" gravado no Hangar 110 (SP) em Dezembro de 2008 e dirigido por Romi Atarashi, conta com Jonas na bateria e marca a transição para uma nova fase. O guitarrista Donida deixa os palcos para dedicar-se exclusivamente à composição do material da banda. Seu lugar, nos palcos, é ocupado por Maurício Nogueira (Ex-Torture Squad).

Cinco anos após "A Arte do Insulto", o Matanza lança "Odiosa Natureza Humana", em Março, pela Deckdisc. O agradado 5º álbum de estúdio (e 4º de inéditas) começou a ser feito em 2010 e foi gravado em 3 dias, ao vivo, com fita de rolo (nada de arrumações digitais) e produção de Rafael Ramos no estúdio Tambor. Depois de 15 anos de carreira, 6 CD's e um DVD lançados e uma média anual de 90 shows, "Odiosa Natureza Humana" traz o Matanza mais Matanza do que nunca: pesados, rápidos, mal-humorados, irônicos e tocando o country-hardcore que é sua marca registrada.

A banda possui letras cínicas e sarcásticas, que falam de ódio, violência, bebidas e mulheres. Possuem um clima de velho oeste americano. A mídia batizou o estilo criado pela banda de Countrycore. Os membros da banda são admiradores de Johnny Cash e, em 2005, gravaram um álbum de versões para músicas da fase inicial de sua carreira, batizado como "To Hell With Johnny Cash". No álbum de 2006, "A Arte do Insulto", o Matanza explora diversos elementos da música tradicional irlandesa.[2] Entre as grandes influências, também estão as bandas: Motorhead, Slayer, Dropkick Murphys e The Exploited.
A gravadora Barulho lançou, em 1999, a coletânea Barulho Tapes que conta com as faixas da primeira demo Terror em Dashville. Foi lançado também pela DeckDisc um tributo ao Secos & Molhados, onde o Matanza interpreta a música El Rey. Já no CD Beatles' 69 Vol. 3 - Abbey Road Revisited, Matanza interpreta a canção Cold Turkey, em que John Lennon aborda o vício em heroína.
FORMAÇÃO:
Jimmy London (Vocal)
China (Baixo)
Jonas (Bateria)
Marco Donida (Guitarra) (Composição)
Maurício Nogueira (Guitarra) (Show)

DISCOGRAFIA:
2001 - Santa Madre Cassino
2003 - Música Para Beber e Brigar
2005 - To Hell With Johnny Cash
2006 - A Arte do Insulto
2011 - Odiosa Natureza Humana

PS: Tá aí uma boa banda nacional, se destaca por suas influencias e também por seu estilo de compor, as letras são simples oque deixa o som melhor e mais rápido, a origem do nome vem do festival da "matanza", que é realizado a séculos na Itália e é sobre a pesca do Atum, os discos da banda tem por curiosidade sempre "13" musicas. Destaco o segundo disco "Musicas para beber e Brigar" (2003), foi a confirmação do Matanza como banda.
Porrada nos ouvidos alheios......

quinta-feira, 28 de abril de 2011

OQUEDERNATELHA DESEJA A TODOS UM FELIZ DIA DA SOGRA.

PODE CRÊRRRR

GERVÁSIO..... UM BRASILEIRO.....(2)

Pega merda......

VOCÊ SABIA? (11)


O planeta Terra fica 100 kg mais pesado todos os dias devido a queda do pó espacial.

Com certeza você não sabia.

Pronto tem alguém que engorda mais que você.....

bons livros..... (12)


PUNK
ANARQUIA PLANETÁRIA E A CENA BRASILEIRA.

Silvio Essinger (1999)

Obrigatório, simplesmente obrigatório. Punk– Anarquia Planetária e a Cena Brasileira, do jornalista Silvio Essinger, lançado dentro da série livros sobre música da Editora 34, é um pequeno compêndio sobre o tema, alias, bastante escasso em nossas prateleiras. O roteiro do livro é básico, o que, de certa forma, o direciona a um público mais jovem. Mesmo assim não deixa de ser gostoso ler mais uma vez sobre MC5, Velvet Underground e New York Dolls, astros da primeira parte do livro.

Didático ao extremo, Punk é perfeito por dar uma bela geral em todo o – chamado – movimento punk, pré 77 até o fim dos anos 90, ou seja de Stooges a Atari Teenage Riot, passando por Damned, Nirvana, Green Day e muitas outras. O autor não procura ser genial e, exatamente por isso, acaba sendo. O apenas contar uma história soa sincero e ok. Assim como evita o exagero, Essinger também procura não ser crítico, contando apenas os fatos e as conseqüências dos mesmos.

O capitulo Sex Pistols/The Clash/Ramones talvez traga pouca coisa de novo aos que curtem o gênero há mais tempo, embora uma surpresa aqui e ali com certeza será encontrada pelo leitor atento.

Mas o grande trunfo, sem dúvida, é o resgate da cena punk brasileira e o passeio pelo rock nacional. Os capítulos são divididos por Estados e há um breve e interessante prefácio contando do surgimento do rock no Brasil. Depois, o leitor será apresentado há uma dezena de grandes bandas que fizeram história e a alegria de muitos jovens rebeldes desse imenso Brasil.

O capitulo "Garotos do Subúrbio" sacode o baú de São Paulo, onde em meio ao medo militar, acotovelavam-se em quartinhos, bandas como Inocentes, Restos de Nada, Cólera, AI-5, Garotos Podres, Ratos de Porão e Olho Seco, só para ficar nas famosas. Em "O Outro Lado da Cidade Maravilhosa", o leitor irá descobrir o punk carioca do Coquetel Molotov, Força Desarmada, Patrula 666 e lugares como o "Dancy" e o "Western".

"Tédio com um T (Bem Grande Pra Você)" fala de Brasília, citando a canção da Legião Urbana, que teve como embrião o Aborto Elétrico. Histórias bacanas da Blitz 64 e fotos legais. Já o capitulo "Longe Demais Das Capitais" serve para dar um panorama no rock da Bahia e de Rio Grande do Sul. Com isso, Camisa de Vênus e Replicantes ganham merecidos destaques. Como não cansamos de dizer aqui no S&Y, cultura pop deveria ser matéria de escola. Se fosse, um livro como esse seria livro de professor.

Como cultura pop é algo desprezado, Punk acaba tendo seu valor triplicado, por mostrar a uma nova geração a verdadeira cerne do que é ser punk. Trata o assunto com ingenuidade e inteligência, caracteristicas do próprio movimento. Com isso, caras uma geração de idiotas movidos a inveja e grana tem como aprender a ter atitude, a ser sincero, honesto, sem se preocupar com a vendagem do disco ou se amparar na grana do papai.

E mais, Punk é retrato de um período em que atitude era reclamar do governo (ou da realeza) e não ficar fazendo piquete em frente aos McDonalds da vida. É punk do tempo em que ninguém queria salvar vaquinhas, afinal, é só ir aos cafundos da África e ver gente passando fome, ou ir até o ABC para ver com quantas horas extras se consegue um almoço razoável.

Isso tudo soa a quem é criado com comidinha na boca, coisa bem classe média, filha da geração neo-liberal que era algo em 1970 e hoje só conseguiu criar um monte de paspalhos que acha que atitude é não comer carne, brigar pelos direitos femininos e reclamar dos oligopólios quando o problema, geralmente, está na esquina de sua própria casa, ou, no máximo, na prefeitura de sua cidade. ONGs? Onde? O que são?

É claro que são coisas que não se aprendem na escola, mas a gente sempre espera que o mundo mude, para melhor. O punk está vivo. Viva o punk!

PS: Obra essencial para se entender o movimento punk no Brasil, o autor fala de bandas e persónalidades ainda em atividade no nosso paiz, escavando hístorias e fazendo comparações com os dias de hoje.

Livro imperdivel.



quarta-feira, 27 de abril de 2011

Pequenas historias do dia-dia....(2)


A americana Tempestt Henderson sempre foi uma garota ingênua desde muito nova. Certa vez o avô materno dela, John Henderson, de saco cheio com a insistência da neta em querer brincar de cavalinho, mandou-a caçar sapo (ou como eles dizem nos EUA: ‘go SFF’, que significa ‘Go Search For Frogs’) e ela foi.

Cinco horas depois, com os pais desesperados e a vizinhança toda a procurando, ela apareceu com dois sapos que tinha encontrado no lago da cidade. Isso foi encarado como um fato isolado, até o dia em que Tempestt completou 12 anos e os Henderson viajaram para o Hawaii.

Em uma discussão com o irmão Ryan, Tempestt desapareceu novamente deixando a família desesperada por várias horas. Reapareceu no começo da noite com uma sacola cheia de cocos. Indagada pelos pais sobre o motivo do sumiço, ela disse que seu irmão tinha a mandado catar coquinho (ou como eles dizem nos EUA: ‘go CC’, que significa ‘Go Catch Coconuts’) e ela foi.

Com o fato esquecido novamente, Tempestt começou a namorar um rapaz da faculdade de enfermagem. Paul, que é dois anos mais velho que ela, percebeu que a garota se prendia a ditados populares, diagnosticando como um tipo de TOCTranstorno Obsessivo Compulsivo.

Meses depois, no dia em que terminaram o relacionamento, Paul mandou Tempestt ir lamber sabão (ou como eles dizem nos EUA: ‘go LS’, que significa ‘Go Lick Soap’) e ela foi, mas dessa vez a reação foi mais grave.

Ela NUNCA MAIS parou de lamber sabão.

MERDAS ACONTECEM......

BIG BANG TEORY......

FALTOU......

História.....


Capitão América exige a libertação imediata dos prisioneiros do campo de concentração localizado na cidade de Treblinka. Polônia (1945)

VASCO...... REI DE VOLTA.


VASCO ANUNCIA OFICIALMENTE A VOLTA DE JUNINHO PERNAMBUCANO.
Dez anos depois de ter vestido pela última vez a camisa cruzmaltina, o meia Juninho Pernambucano, um dos maiores ídolos do Vasco retorna a São Januário, por amor ao clube, a torcida e a pedido do presidente Roberto Dinamite.

A diretoria vascaína acertou o retorno do jogador que estava no Al-Gharafa, do Qatar, nesta última terça-feira (26/04). Roberto Dinamite, o presidente da Assembléia Geral, Olavo Egydio Monteiro de Carvalho e o empresário do jogador, José Fuentes, estiveram nesta semana no Qatar, resolvendo os últimos detalhes do acerto. Emocionado, Juninho falou da alegria de poder retornar para o clube do seu coração.

- Estou retornando ao Vasco por duas instituições deste clube que são a sua torcida linda e fantástica e seu presidente, homem simples e do bem. Eu precisava fazer isto e sempre disse que o que faltava era iniciativa. Em 2009, Rodrigo Caetano me mandou um e-mail e conversamos. A coisa não andou. Faltava o projeto, o encaminhamento de uma proposta de trabalho. E este ano, com a ajuda do próprio Rodrigo e do Fuentes, Roberto esteve em Recife e ali sacramentei minha volta. Estou muito feliz – comentou Juninho com exclusividade ao SITE OFICIAL.

O reizinho de São Januário que mesmo no Qatar, acompanhava tudo sobre o Vasco está dando uma demonstração de amor verdadeiro ao Vasco.

- Volto sem ação de marketing alguma. Eu e o Vasco somos parceiros, na alegria e na tristeza. Eu volto para ganhar um salário mínimo, porque preciso ser justo com o torcedor. Tenho que dar resultado e se acontecer, sou premiado. Me preparo nestes dois meses restantes antes do Brasileiro e volto em agosto firme e forte, sabendo que não sou mais o Juninho de dez anos atrás, mas posso ainda contribuir muito. O torcedor pode confiar na entrega e no espírito guerreiro que vou levar aos meus novos companheiros e daqui vou torcer muito, já a partir deste domingo, como venho fazendo desde que sai do Brasil. Acompanho tudo e sou Vasco. Estou muito ansioso para chegar ao Rio de Janeiro e sentir este calor p concluiu Juninho ao site oficial.

Na sua primeira passagem no Vasco, Juninho esteve presente nas maiores conquistas do clube, como os Brasileiros de 1997, 2000 e a Libertadores de 1998, onde teve uma participação inesquecível para os torcedores, que acabou virando uma das músicas mais entoadas pelos vascaínos. Juninho marcou de falta sobre a equipe do River Plate-ARG, um gol que garantiu sua equipe na decisão, conquistada posteriormente sobre o Barcelona de Guayaquil. O reizinho de São Januário disputou 295 jogos pelo Vasco e marcou 55 gols.

Confira a ficha técnica do jogador:

Nome completo: Antônio Augusto Ribeiro Reis Júnior
Data de nascimento: 30/01/1975 (36 anos), Recife.
Altura: 1.79
Peso: 74 kg

Clubes: Sport Recife (1993/1994)
Vasco da Gama (1995/2001)
Lyon (2001/2009)
Al-Gharafa (2009/2011);

Títulos:
Sport-RE: Campeonato Pernambucano (1994) e Copa do Nordeste (1994).
Vasco: Campeonato Brasileiro (1997 e 2000), Campeonato Carioca (1998), Copa Libertadores da América (1998), Torneio Rio São Paulo (1999) e Copa Mercosul (2000).
Lyon: Campeonato Francês (2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007 e 2008).
Supercopa da França: (2002, 2003 e 2004).
Copa da França (2008).
Al-Gharrafa: Qatari Stars Cup (2010), Liga do Qatar (2010), Qatar Crown Prince Cup (2010)

O BOM FILHO A CASA SEMPRE RETORNA......

SEJA BEM VINDO REI.......

biografias (7)


ALBORGHETTI:

Luiz Carlos Alborghetti (Andradina, 12 de fevereiro de 1945Curitiba, 9 de dezembro de 2009) foi um jornalista policial, radialista, showman de televisão e político brasileiro. Foi deputado estadual no Paraná por dezesseis anos. Entre suas características marcantes estavam o tom inflamado, desafiador, e o discurso ácido, não raro com o uso de termos chulos para expressar sua indignação. Seu estilo e formato de apresentação pioneiros influenciaram outras personalidades do rádio e televisão policial no Brasil.

Nascido em Andradina, mudou-se para o Rio de Janeiro aos dezesseis anos para estudar. Iniciou sua carreira em 1976, numa rádio de Londrina, Paraná, com um programa policial de nome Cadeia em que relatava os crimes ocorridos na cidade. Três anos mais tarde, Alborghetti estreou um programa de televisão, também chamado Cadeia, inicialmente para a cidade de Londrina, sendo ampliado posteriormente para todo o estado do Paraná em 1982. Neste mesmo ano, Alborghetti foi eleito vereador pela cidade, e dois anos depois, deputado estadual pela primeira vez, sendo reeleito em 1990.

Em 1992, Alborghetti estreou o Cadeia Nacional, levando seu programa para todo o Brasil, através da Rede OM de Televisão (hoje Central Nacional de Televisão), que possuía em seu quadro de afiliadas, entre elas a TV Gazeta, canal 11 de São Paulo. Várias características marcaram a atuação de Alborghetti na televisão: o discurso ácido,uma toalha dependurada sobre os ombros, os óculos de leitura, uma caneta entre os dedos da mão direita e um porrete de madeira, que ele usava para descontar sua raiva batendo em qualquer objeto que visse (principalmente em sua mesa) sempre que algo o enfurecia. Um dos seus influenciados foi o apresentador de televisão Carlos Roberto Massa, o Ratinho, que trabalhou como repórter policial para ele por doze anos, tendo sido lançado em seu programa. Com a frase "Esse governador de São Paulo, Fleury, é um bundão!", dirigida ao então governador do estado de São Paulo na época, Luiz Antônio Fleury Filho, ele foi afastado temporariamente do Cadeia Nacional, dando oportunidade para Ratinho apresentar o programa.

Seu tom inflamado e desafiador contra os criminosos sempre foi uma característica marcante. Por exemplo, ao denunciar o tráfico no Rio de Janeiro, nos anos 1990, chamou a facção criminosa Comando Vermelho de "bando de bichas". Também, ao comentar sobre o PCC, chamou seu líder Marcos Camacho (o Marcola) de "bundeiro" e "dador de bunda". Outro fato marcante ocorreu em 1997: através do Ministério Público ele impediu que a banda Planet Hemp se apresentasse no Paraná, devido às letras do grupo, que consistiam basicamente no apoio à descriminilização do uso da maconha.

Dois anos mais tarde, Alborghetti deixou, provisoriamente, o comando de seu programa para concorrer à deputado estadual. Foi eleito pela terceira vez e, ao retornar ao programa, mudou de emissora e passou a concorrer com o antigo programa, com transmissão voltada apenas para o estado do Paraná. Em 1998, deixa o comando deste para tentar a sua terceira reeleição, sendo bem-sucedido. Pouco tempo depois, retorna ao comando de seu programa, também veiculado na CNT. Em 2002 tentou novamente a reeleição, sem sucesso. Perdeu por cinco mil votos.

Em 2006, Alborghetti estreou o programa Cadeia Sem Censura, veiculado de segunda a sexta-feira na Rede Intervalo de Comunicação, uma rádio pela Internet posteriormente transformada em programa de televisão, baseada em Curitiba. Ficou seis meses no ar, até agosto do mesmo ano. Por falta de patrocinadores, o programa saiu do ar, fazendo com que Alborghetti migrasse para a Rádio Colombo, também de Curitiba.

Na mesma época, a sua relação com a Internet e as redes sociais se intensificaram. Nas mídias digitais é referenciado como "Mestre", "Mestre Dalborgha" ou mais recentemente, "Charles Dal". Alguns de vídeos acabaram se popularizando da Internet, como o episódio em que ele comenta o filme 300. Ele também passou a ser referenciado na televisão: o programa Hermes e Renato, da MTV Brasil, fez uma paródia entre 2007 a 2008 do programa de Alborghetti no quadro "Chapa Quente", em que o apresentador Bradock faz o papel de jornalista policial e mais recentemente no progama Pânico na TV da Rede TV! com vinhetas do jornalista dizendo O Capeta existe e outros vídeos clássicos de quando Alborghetti liga pra polícia e diz que só tem duas viaturas para atender toda a cidade de Curitiba(capital do estado do Paraná). Outras manifestações também ocorreram na música: a banda curitibana de ska rock Boi Mamão compôs "Vagabundo" em homenagem ao apresentador, e o músico Rogério Skylab faz uma alusão à Alborghetti na canção "Cadê meu Pau".

Em 7 de maio de 2007, passou a apresentar seu programa Cadeia Sem Censura exclusivamente pela Internet, de segunda a sexta-feira, de 10 às 12 horas, e disponibilizava os programas em sua comunidade oficial do Orkut. Estreou em 3 de março de 2008 o programa Plantão Mais, exibido de segunda a sexta-feira, das 17 às 19 horas, na Rádio Mais AM 1120. Em 4 de agosto de 2008 passou a apresentar o Cadeia Sem Censura na Fusão TV, que foi exibido de segunda a sexta-feira, de 17 às 18 horas no endereço.

Depois de meses longe do trabalho para se dedicar a tratamentos Alborghetti morreu em Curitiba, em 9 de dezembro de 2009, vítima de câncer de pulmão.

FRASES E BORDÕES:

“Bandido bom é bandido morto!”

“Cadeia nele já!”

“Bandido é bandido, malandragem! E bandido você tem que mandar matar!”

“Um beijo na sua alma!”

“Tá mais quebrado(a) que arroz de terceira!”

“Não tem que construir mais cadeias! Tem que construir mais cemitérios!”

“Tá com pena dele? Leva pra tua casa! Põe pra dormir na tua cama!” (frase dirigida a defensores dos direitos dos bandidos)

“Vamos tirar a máscara e lavar a cara!”

“Falsos profetas, falsos moralistas!” (para os supostos defensores dos direitos humanos)

“Cadeia pra vocês, vagabundos!”

“Você faz as coisas direito… mas sempre tem um filho da puta pra te sacanear, sempre tem um filho da puta querendo te foder….vai foder… a BUCETA da TUA MÃE FILHO DA PUTA…..que deve tá com aids!“

“Ôôôô Riiiiio de Janeiro do meu saco!”

“Ele agora deve estar sentado no colo do gramunhão!”

“Eu fico puto da cara, fico filho da puta da minha cara!”

“Eu fico desgraçado da minha cabeça!”

“Você mata, com um botijão de gás, uma média de 500 bandidos por dia.“

“Vamos lavar a cara e tirar a máscara,”

“Foi pro colo do capeta!”

“Tô cagando e andando pra vocês, tô cagando, peidando… pra vocês!”

“Papai quer gêmeos.”

“Se gostou, gostou, se não gostou, pula no meu peito, porra!”

“Não devo pra filha da puta nenhum nesse estado e nesse país !

“Ah! Vá a merda porra!! Vá a meeeeeeeeeeeeeeeeeeerrda!! Vááááááááááááááááááááááaá porra, EU NÃO SOU OTATÍO PORRA!”

“As drogas transformam seu filho num cadáver ambulante e sua filha numa prostituta mercantilista.”

“Não fui desmamado com garapa não, minha mãe tinha um tetão que dava um vendaval de leite!”

“A minha mãe era a maior putona que já vi…mas era putona do meu pai.”

“Bandido bom é bandido morto e enterrado em pé para ocupar pouco espaço no cemitério.”

“Mijou pelo dedão do pé! “

“Eeei!! Eeeeeei!! Eeeeeeeeei!! Eeeeeeeeeeeeeeeeeei!! DESGRAÇA DE TELEVISÃO DO SATANÁIS!!!”

“Tudo o que pinta de novo pinta no rabo do povo!"

TÁ AÍ MINHA JUSTA HOMENAGEM.


terça-feira, 26 de abril de 2011

Rápido fuja para as Montanhas


PAULINHA (EX-BBB), JÁ RECEBEU 3 CONVITES PARA POSAR NUA, MAS RECUSOU.

Desde que começou seu programa junto com o EGO para emagrecer, Paulinha já foi sondada por nada menos que três revistas masculinas para posar nua. Mas, por enquanto, diz que não quer nem ouvir as propostas: só vai pensar nisso depois de perder seus quilos a mais.

“Se eu for posar nua é para mostrar o resultado”, disse ela enquanto se preparava para mais um treino, nesta terça-feira, 26. “Quem quiser me ver pelada desse jeito já pôde me ver no ‘BBB’”, brincou a participante que enquanto estava no programa, por várias vezes esqueceu que estava sendo filmada e trocou de roupa diante das câmeras.
Motivada pelas novas oportunidades que começaram a surgir desde que aceitou o desafio, Paula treinou duro nesta terça-feira. Ela começou a malhação com 30 minutos de transport e fez um circuito pela musculação sem intervalo entre as séries. “Está doendo tudo, mas é bom”, disse Paula no fim antes de saber que ainda teria que fazer uma série de abdominais na bola.
É TA TENDO UM CERTO BOM SENSO......


QUAIS FORAM AS REVISTAS.....


pqp....

O SEGREDO.

Cara muita gente leu a porra deste livro, inclusive minha mãe, mas não precisa de muito pra desvendar alguns mistérios do dia-dia, que ver:

Segredo pra ter sempre cheirinho de carro novo: trabalhe numa concessionária.

Segredo pra ficar sempre virgem: nascer entre 23/08 e 22/09.

Segredo pra ter sempre uma pele nova e macia: vire estripador.

Segredo pra evitar a queda de cabelo: fique deitado no chão.

Segredo pra ter bacon infinito: pare de tomar banho.

Segredo pra ficar milionário: faça dupla sertaneja com José Rico.

Segredo pra perder 100kg num minuto: termine o namoro.


VIU....

pequenas decepções que tenho......(10)


NÃO TER VISTO NENHUM, EU DISSE NENHUM COMPUTADOR EXPLODIR NA VIRADA DE 1999 PRA 2000.

Sinceramente queria ter visto, eu esperei por isso....

O império das maquinas....

PQP....

Coisas idiotas que já fiz......(3)

Apostar comigo mesmo " tenho que atravessar essa rua senão vou perder uma perna"
Principalmente a Av:Fab quando tou com pressa..... Agora uma pergunta:
Quem não faz isso? Ora porra.....
PQP


segunda-feira, 25 de abril de 2011

Pense oque quiser desta foto....(1)

MASSA......

PQP.....

Pontas Duplas....

MINHA MULHER DISSE QUE O CABELO DESSA MOÇA TINHA "PONTAS DUPLAS", SINCERAMENTE NÃO VI DEFEITO NENHUM.....

ACHO QUE VOU AUMENTAR O GRAU DO ÓCULOS......

Achei...... CLARK KENT

Na semana santa até ele pediu arrêgo....

kkkkkkkkkkkkkkk

Camarão......O BACON DO MAR....

Putz, tava tomando uma cerva em um bar junto com alguns parceiros, e resolvi dar uma boa estudada no cardápio do estabelecimento..... Dentre muitas curiosidades como coração de frango, e muela de galinha (estava assim mesmo escrito, como se asa aves fossem diferentes),um grande detalhe eu não estava na China onde se come tudo, me deparei com a seguinte questão:
Camarão sem casca ....R$ 13,ooo
Camarão com casca.....R$ 14,000

Tipo estam cobrando pelo pequeno prazer de descascar o camarão, que Porra é essa?, ou será que amantes da cabeça do pequeno crustáceo (no qual eu não me incluo), se certificam disso?, ou será que os pequenos prazeres serão cobrados a partir de hoje?, Me lembro quando residia em Brasília que por ordem da Vigilância Sanitária os carrinhos de cachorros quente tiveram que aderir ao famoso sachê de maionese, de katchup e mostarda até aí tudo bem, é mais higiénico? sem dúvida, mas e quando inventaram de cobrar pelo dito cujo sachê. Porra uma puta falta de sacanagem, ainda bem que não tinha twitter pra gente falar mal, se não tavam ferrados, mas eu e os caras que na época eram ferrados estudantes de jornalismo conseguimos acabar com isso em verdadeiro ato de desobediencia civil, assim como Gandi expulsou os ingleses da Índia na paz nos boicotamos quem cobrava e também derrubamos isso, de letra acabamos com a cobrança pelo lenço de papel a popular "seda", que cada um tinha direito só de uma e para pegar na mesa só se comesse algo.... Que mundo é esse onde o capitalismo domina as as mentes do povo.

Desculpe esse devaneio más sei lá deu vontade..... Justo com o Camarão o Bacon do Mar...

PQP.....

sexta-feira, 22 de abril de 2011

VEM PEGAR OS OVINHOS.......

FELIZ PÁSCOA MACACADA......

DISFARÇA.....


TODO MUNDO TEM......

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Bandas Boas....... (que conheço) (12)


QUIET RIOT

É uma banda de heavy metal . Eles começaram em 1973 pelo vocalista Kevin DuBrow. A formação original era composta por Randy Rhoads (guitarra), Kelli Garni (baixo) e Drew Forsyth (bateria).

Randy Rhoads e Kelly Garni moravam na Califórnia e durante quatro anos tocaram em algumas bandas pequenas. Já estavam cansados de tocar em festas na região e, em 1975, juntaram-se a dois amigos, Kevin DuBrow (vocal) e Drew Forsyth (bateria), criando, assim, o Quiet Riot, que rapidamente tornou-se um dos grupos mais ativos de rock pesado da região de Los Angeles.

Logo a Sony Record percebeu o talento do grupo e fechou um contrato para lançar dois álbuns, só que no Japão. Foram "Quiet Riot", em 1977, e "Quiet Riot II", em 1978. Estranhamente, os discos nunca foram lançados nos Estados Unidos. O plano para fazer a esperada turnê japonesa estava pronto, já que o disco estava bem no país, mas ele foi cancelado. Naquele mesmo ano, o grupo ainda enfrentou duas saídas, a de Kelly Garni e Randy Rhoads, que passou no teste para ser o guitarrista da banda de Ozzy Osbourne.

O grupo se dispersou e Kevin criou uma nova banda com o baterista Frankie Banali e o baixista cubano Rudy Sarzo, mas com a chegada do novo guitarrista, Carlos Cavazo, eles decidiram fazer daquela reunião a volta do Quiet Riot. O grupo fechou um contrato com a Pasha Records e lançou, em 1983, Metal Health. O sucesso repentino do disco surpreendeu a todos e a canção "Come on Feel the Noise", cover do Slade, foi direto para as paradas norte-americanas. Outra faixa importante no disco foi "Thunderbird", uma homenagem ao guitarrista Randy Rhoads, que havia falecido em um acidente um ano antes.

Condition Critical saiu em 1984 e trouxe mais uma canção cover do Slade, "Mama, Weer All Crazee Now". A crítica achou que o disco era uma cópia do anterior e o grupo enfrentou o início de uma crise. Quando recuperaram a atenção da mídia para "Quiet Riot III", que saiu em 1986, Rudy Sarzo abandonou o grupo e foi substituído por Chuck Wright. O álbum foi um fracasso e a turnê resultou em mais baixa para o Quiet Riot. Kevin DuBrow largou o grupo no Hawaii, onde tinha feito o último show da turnê e pegou um vôo mais cedo. Os conflitos internos ainda resultaram na saída de Chuck.

Foram dois anos para se recuperar de tanta saída e colocar mais um álbum nas lojas, "Quiet Riot". A nova formação ficou completa com a entrada de Sean McNabb, no baixo e Paulo Shortino, no vocal. A turnê do disco estava pronta e o que parecia ser um promissor recomeço, foi apenas um pequeno suspiro. Os ex-integrantes Carlos e Frankie moveram uma ação que proibiu o grupo de usar o nome de Quiet Riot e eles pararam de tocar.

A reconciliação só aconteceu em 1993, mesmo assim, só com parte da banda. Kevin, Carlos e Frankie lançaram "Terrified", que não chegou a fazer sucesso. Eles tentaram melhorar a imagem com outro lançamento no mesmo ano, "Randy Rhoads Years", que continha gravações do começo do grupo com o guitarrista, o que também não funcionou. Sem desistir, o Quiet Riot colocou no mercado, dois anos depois, "Down to the Bone", que também não emplacou.

Para o Quiet Riot voltar a se destacar foi preciso engolir os sapos do passado. Kevin DuBrow, Carlos Cavazo, Rudy Sarzo e Frankie Banali se reuniram novamente em 1997 e saíram em turnê mundial no ano seguinte, na qual foi gravado o disco "Alive & Well", em 1999. Um trabalho inédito só foi lançado em 2001, "Guilty Pleasures". Em 2003, DuBrow deu início ao um novo projeto e a banda encerrou suas atividades mais uma vez.

FORMAÇÃO:

Kevin DuBrow (Vocal)
Randy Rhoads (guitarra)
Kelli Garni (baixo)
Drew Forsyth (bateria).

DISCOGRAFIA:

1983 - Metal Health
1984 - Condition Critical
1986 - Quiet Riot
1988 - Quiet Riot II
1993 - Terrified
1995 - Down to the Bone
1999 - Alive and Well
2001 - Guilty Pleasures
2006 - Rehab

PS: Apesar de muitas idas e vindas o QR pode sim ser considerado um dos grandes nomes do metal, a versão feita por eles para "Cum on feel the noize" do Slade e considerado um clássico.
Apesar do falecimento do vocalista Kevin Dubrow em 2007, os fans da banda continuam a esperar por lançamentos de material inédito, que a o cantor guardava em seus arquivos.
Indico o disco Metal Health de 1983, e uma porrada de som de qualidade, uma mostra de quanto os caras estavam a frente do tempo. A primeira vez que ví o clipe de Cum on feel the noize cheguei a conclusão que o rock tinha que fazer parte da minha vida.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

GERVÁSIO..... UM BRASILEIRO.....

Pega filho da puta.....

Será que é Brabo.......

Mas que Calor oh,oh,oh,oh


VENTILANDO A PASSARINHA......

KKKKKKKKKKKKK

bons livros..... (11)


A IDADE DA RAZÃO.

Jean Paul Sartre (1945)

O primeiro da trilogia "Os caminhos da Liberdade".

O romance se passa em Paris, nos anos 30 e conta a historia da vida de Mathieu, um professor de filosofia, que sai em busca de um dinheiro para financiar a realização de um aborto em sua amante (Marcelle), em 3 dias vários personagens e suas ações são analisados, e as percepções e observações são recolhidas para dar ao leitor um detalhado retrato do personagem principal.

A obra mostra claramente a noção existencialista sartreana e o perfil psicológico dos personagens - tomando decisões importantes para suas próprias vidas. Demonstra ainda como a concepção de Sartre sobre liberdade está intrinsecamente ligada à existência humana, sendo o alvo final desta existência.

Enquanto a novela progride, a narrativa do personagem expõe conceitos de Sartre sobre o que significa estar livre e como se opera no âmbito da sociedade com esta filosofia. Este romance é uma representação imaginária de seus trabalhos filosóficos principais (O ser e o nada) onde se alcança a liberdade suprema com o nada, ou, mais precisamente, sendo nada.

O autor cria uma atmosfera e um enredo envolvente dentro da noite da capital francesa, sua relação com seus alunos e muito bem abordada, mostrando que as relações entre pessoas de níveis diferentes é possível.

Ao se ver contrariado no final do romance o quando Marcelle desiste da ideia do aborto o próprio Mathieu sente falta de sua outra paixão, e acreditar ter chegado na "Idade da razão"

PS: Um bom livro que li na faculdade, o autor e um génio do Existencialismo, mostrando neste romance ideias reais a serem debatidas sobre a sociedade.